ASSESSORIA DE IMPRENSA

PARA

image
Olá,

Nós formamos a Baú!

Somos dois “bauzeiros”. Bauzeiros da cultura e do melhor do entretenimento da nossa capital federal. Com uma identificação totalmente relacionada e voltada para promover estabelecimentos e a arte nas terrinhas do cerrado, os jornalistas Camila Rezende e Michel Toronaga comandam a Baú Comunicação. A assessoria surgiu de uma ideia diferente, alternativa e artística. Não à toa, o termo “Baú” significa ônibus, uma gíria típica dos moradores do Planalto Central. Mas “Baú” também vai além. É uma caixinha onde vamos destrinchar e oferecer um serviço personalizado para nossos clientes, além de atender a equipe de jornalistas do Distrito Federal.


Pré
Releases

Desenvolvimento de pautas, textos e notas para a imprensa

Exclusividade

Criação de materiais exclusivos para os veículos de maior influência

Envio

Elaboração de mailling-list adequado ao cliente


Pós
Follow up

Confirmação de recebimento e venda personalizada das pautas

Participação

Acompanhamento de jornalistas e presença da equipe em eventos

Eventos

Organização de coletivas, almoços e demais reuniões com a imprensa


Resultados
Bom relacionamento com a mídia
Reconhecimento no seu ramo
Divulgação ampliada
Fortalecimento de imagem
Prevenção e gerenciamento de possíveis crises

CLIENTES

O QUE OFERECEMOS

Assessoria de imprensa

Criação de pautas para inserção do cliente na mídia

Redes sociais

Administração de redes como Facebook e Instagram

Fotografia

Cobertura fotográfica, filmagens e demais gravações

Design

Confecção de cartazes, peças promocionais exclusivas

Relatório

Clipping com apresentação dos resultados alcançados

Saiba mais

Conheça melhor todos os nossos serviços e soluções integradas

ALGUNS TRABALHOS

Presente para a família no shopping Liberty Mall

Este mês, Brasília completou 61 anos e o shopping Liberty Mall (Setor Comercial Norte) une a celebração do aniversário da cidade com o Dia das Mães e lança a promoção “Brasília 61 - Capital Acolhedora”. A cada R$ 300 em compras nas lojas participantes, o cliente ganha um par de chinelos com temas que são a cara da cidade. São quatro modelos, com estampas da Catedral de Brasília, Ponte JK, Esplanada dos Ministérios e as famosas Tesourinhas.

A ação vai até o dia 9 de maio ou enquanto durar o estoque de brindes. Para mais informações, confira o regulamento completo no site https://libertymall.com.br/. Valorizando a economia local, os calçados são Koc Pitt - localizada no Polo JK, é a terceira maior fábrica de sandálias de borracha do Brasil. Os chinelos estão disponíveis nas numerações 35/36, 37/38, 39/40, 41/42 ou 43/44.



A promoção troque e ganhe “Brasília 61 - Capital Acolhedora” surgiu como forma de demonstrar carinho e agradecimento ao DF. "Assim como uma mãe, nossa cidade recebeu e recebe brasileiros de vários estados de braços abertos", explica Alexandre Mendes, superintendente do shopping.

Estacionamento

Para estimular ainda mais a presença do público no centro de compras, o shopping Liberty Mall está com o estacionamento grátis aos sábados. Assim, os clientes podem parar seus veículos em vagas cobertas sem precisar pagar.

Serviço

Brasília 61 - Capital Acolhedora
Até o dia 9 de maio de 2021
Shopping Liberty Mall - SCN Qd. 2 Bloco D
Regulamento: https://libertymall.com.br/
Informações: (61) 3328-8915
Siga nas redes sociais: @shoppinglibertymall

Foco Cia de Dança estreia o espetáculo Mamadook

Espetáculo de dança contemporânea abre 2021 com temas que abordam a ressignificação da mulher na contemporaneidade. Em cartaz no Cine Drive-in de Brasília.

A divindade guardada em cada mulher e o ambiente desrespeitoso onde a figura feminina é incansavelmente colocada serão temas do novo espetáculo da companhia brasiliense Foco Cia de Dança. Ensaiada em 2020, durante a pandemia, a obra de dança contemporânea Mamadook vai abrir o ano de 2021 em apresentação em vídeo no Cine Drive-in de Brasília (Centro Desportivo Presidente Médice – Asa Norte).  


A produção conta com coreografia do paulista Cesar Dias e estará em cartaz no dia 14 de janeiro, quinta-feira, em sessões às 19h30 e 21h30. Ingressos: R$ 40 o carro, podendo caber até quatro pessoas. Vendas pelo link: MAMADOOK - Foco Cia de Dança - 19h30 - Sympla. Não recomendado para menores de 16 anos.   

“Quis abordar a questão da antiguidade e da modernidade. Por meio de uma deusa pagã, vamos mostrar como a vida surgiu, sempre de uma mulher. Uma mulher que é fonte de luz, do saber, da existência humana”, destaca o coreógrafo Cesar Dias. 

A experiência, ora marcada pela solista, ora uma simbiose dos bailarinos em metáfora à simbiose da mulher com suas crias, poderá ser vivenciada nas sessões que mostrarão os bailarinos em formato cinema.  

“Nossa ideia é colocar a mulher na centralidade de tudo, porque ela tem que estar. Sei que é difícil, sendo homem, me colocar na posição do gênero feminino e de colocar isso em cena. Precisamos enaltecer essa mulher o tempo todo, afinal, ela é a geradora da vida”, explica Dias. 

Cesar é bailarino há mais de 20 anos e, desde 2015, atua como coreógrafo de renomadas companhias de dança de São Paulo e do Brasil.


Com direção de Renato Fernandes e produção da bailarina e também coreógrafa Naedly Franco, ambos fundadores da Foco Cia de Dança, Mamadook (nome criado por Cesar Dias em referência à mamute) chega aos palcos com um corpo de baile renomado, com coreografias  marcantes que apresentarão a ressignificação do feminino por meio da dança contemporânea. 

Mamadook conta com o patrocínio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal por meio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC-DF). Realização Foco Cia de Dança. 

Espetáculo enfatiza a força da mulher

Cenas e coreografias fortes, com uma trilha sonora, figurino e cenário também impactantes realçam a produção idealizada por Cesar Dias ainda em 2016. Mamadook vem de mamute. “Mas também pode fazer referência à mama da mulher”, interpreta a coreógrafa e produtora Naedly Franco. 

E é essa mulher e todo o feminino que a Foco Cia de Dança vai revelar por meio de um balé que dialoga com a antiguidade e também com a modernidade. 

“Vamos colocar a primeira mulher do mundo como sendo a mãe de todos nós. A deusa é nossa história e, na dança, ela é colocada sempre como o ponto inicial da humanidade”, ressalta Cesar Dias. 

Em 2017, o coreógrafo paulista descobriu a Foco Cia de Dança via Instagram. E foi de sua parceria com Renato Fernandes e Naedly Franco que a ideia se concretizará em 2021. 

“Achei incrível o trabalho da Foco e a forma como a equipe conduz suas coreografias. Foi quando procurei a companhia e, de forma sutil, por vídeos, fizemos uma audição e começamos a montar o espetáculo primeiramente via Zoom, depois em ensaios presenciais que vão dar origem ao que vocês poderão assistir no Drive-in, em primeira mão”, exclama, feliz. 


Fundada em 2014, a Foco Cia de Dança é uma companhia brasiliense que ficou reconhecida em todo o Brasil por sua direção, bailarinos e concepções únicas de espetáculo. Bailarina e protagonista de Mamadook, Bárbara Albuquerque fará a deusa pagã que terá momentos solos e também em conjunto. 

Naedly Franco, que também dança na peça, ressalta a importância de retratar a invisibilidade imposta à figura feminina na sociedade. “Mamadook tende a romper o emaranhado desrespeitoso no qual, incansavelmente, a figura feminina é colocada. Tenta também suscitar a poderosa divindade guardada em cada mulher, de forma que torne translúcida a mulher visceral e forte, a ser evidenciada e venerada”, explica Franco.  

Fundador da Cia e também diretor do espetáculo, Renato Fernandes acrescenta: “Mamadook está além de apenas mais uma produção da Foco Cia de Dança. A obra é também o resultado de muito empenho, o rompimento de muitas barreiras, dentre elas, a distância provocada pela pandemia“. 

Renato, em parceria com a produção, também prezou pela acessibilidade. O intérprete de libras Raphael dos Anjos fará a tradução da parte introdutória e falada do espetáculo. Haverá ainda caderno em braile. 

Veja o vídeo: https://www.youtube.com/embed/RQnMWl3D2Wo

FICHA TÉCNICA - Mamadook 

Direção: Renato Fernandes 

Coreografia: Cesar Dias 


Elenco: 

Bárbara Albuquerque 

Iago Gabriel 

Inara Ramos 

Luig Ernani 

Lívia Bennet 

Naedly Franco 

Poliana Araujo 

Renato Fernandes 


Produção: Naedly Franco

Coordenação Geral: Poliana Araujo

Coordenação Administrativa: CHANG Produções 

Iluminação: Marcelo Augusto 

Operador de som: Juana Miranda

Figurino: Bruno Ferraz 

Design Gráfico: Renato Fernandes 

Filmagem: Marcus Kin

Fotografia: Tayla retratos & Oneclip

Hairstylist: Hérica Fernandes 

Visagismo: Hailla Fernandes 

Assistente de palco: Brenneth Meireles 

Assistente de coreografia: Ana Paula Trevisan

Intérprete de libras: Raphael dos Anjos

Assessoria de imprensa: Baú Comunicação Integrada


Elenco de apoio: 

Clara Molina 

Vitor Hamamoto 



Apoio: 

Centro de Dança do DF

Escola de Dança Noara Beltrami 

Bailacci Academia de Danças 

678 Escola de Dança 

Backstage Dance Center 

Casa Criativa Foco 

Teatro Sesc Newton Rossi


Serviço:

 Mamadook

Local:  Cine Drive-in de Brasília (Centro Desportivo Presidente Médice – Asa Norte).  

Data: 14 de janeiro de 2021, quinta-feira

Horário:  19h30 e 21h30

 Ingressos: R$ 40, o carro, podendo caber até quatro pessoas

Vendas: MAMADOOK - Foco Cia de Dança - 19h30 - Sympla

 Não recomendado para menores de 16 anos   

Informações: Instagram: @focociadedanca

Acompanhe a Foco em: Foco Cia de Dança - YouTube


Cia de Cantores Líricos de Brasília apresenta projeto Beethoven, 250 Anos de Música

Um dos pilares da música ocidental, Ludwig van Beethoven (1770-1827) foi um compositor alemão que viveu no período de transição entre o Classicismo (Século 18) e o Romantismo (Século 19).  Tendo como mote os 250 anos de Beethoven e sua importância histórica, a Cia de Cantores Líricos de Brasília preparou uma homenagem ao artista, que será revivido em sua única ópera: Fidelio.

Ensaiada durante a pandemia, Fidelio será apresentada ao vivo nesta sexta-feira, 11 de dezembro, no canal do YouTube da Casa Thomas Jefferson. Para a interpretação, o grupo fará uma “cortina lírica”, ou seja, apresentará partes musicais sem as cenas teatrais.

Os cantores estarão presentes no local, que fica na 706/906 Sul, gravando para o público assistir de casa. Já no dia 18 e 20 do mês, respectivamente sexta e domingo, a apresentação será também às 20h  no canal no YouTube da Cia de Cantores Líricos de Brasília. Todas as apresentações são gratuitas e livres para todos os públicos.

Além de Fidelio, a companhia também apresentará outros trabalhos do compositor. “São 250 anos de Beethoven. Ele era reconhecido pela carga emocional que colocava em suas composições. Destas, destacam-se obras para piano solo, música de câmara e até mesmo músicas vocais, como canções e uma ópera. Apresentaremos um resumo de sua única ópera, Fidelio, além de outras obras icônicas deste compositor”, adianta a musicista e uma das fundadoras do grupo, Renata Dourado.

Nascido em Bonn (atual Alemanha) em 1770, este papa da música viveu em uma época conturbada, marcada por revoluções e guerras. Mas, cercado de grandes mestres, como Haydn e Mozart, foi eternizado por suas belas composições. Seu talento excepcional para música foi revelado quando, ainda com oito anos de idade, foi confiado a Christian Gottlob Neefe (1748-1798), o melhor mestre de cravo da cidade de colônia da época.

Sinopse de Fidelio - Para quem não conhece a história, Florestan é um homem injustamente acusado, capturado e encarcerado. Desde então, sua esposa Leonora passa a procurá-lo incessantemente. Para isso, ela se disfarça de homem e começa a trabalhar de prisão em prisão. Neste momento, ela trabalha numa prisão junto a outros personagens: Rocco, o carcereiro que só pensa em dinheiro; sua filha Marzelline e seu assistente Jaquino. Leonora, disfarçada de homem, trocou seu nome para Fidelio e ainda tem que lidar com um drama: seu disfarce fôra tão bem elaborado que Marzelline se apaixona por Fidelio. É quando o seu pai, Rocco, fará de tudo para que ela se case logo. Porém, Jaquino, o assistente, já estava apaixonado por Marzelline e insiste bastante nessa relação. É assim que a ópera começa: Jaquino querendo se casar e Marzelline dispensando os cortejos.

Nesta interpretação, Renata Dourado dará vida a Marzelline. Daniel Menezes estará no papel de Jaquino. Thiago Rocha será Florestan, enquanto Érika Kallina e Aida Kellen se revezam como Leonora. Já Gustavo Rocha sera os personagens Rocco e Pizarro. No piano, Rafael Ribeiro irá, ainda, abrir a apresentação interpretando umas das obras para piano mais conhecidas de Beethoven: Für Elise.

Für Elise - “Pode parecer estranho, mas pouco se sabe sobre esta obra. Podemos afirmar que foi composta em 1810, quando Viena estava ocupada pelas tropas napoleônicas. Também podemos dizer que o manuscrito original está perdido. Contudo, existem muitas dúvidas sobre a obra e a mais instigante delas é: quem foi Elise? Ironicamente, apesar de tanto mistério ao redor da obra, este rondó de cinco partes se tornou uma das músicas mais conhecidas no mundo todo, mesmo tendo sido publicada apenas 40 anos após a morte do compositor”, destaca Dourado.

Ainda na apresentação, o público poderá ouvir Romance n. 1, tocada por Ivan Quintana ao violino e Ilka Jussara ao clarinete, e uma bela performance da Sinfonia n. 9, ou a Nona, de Beethoven. A obra musical foi a primeira a quebrar vários padrões de seu gênero: trouxe uma ampla instrumentação, possui uma duração muito maior que a maioria das sinfonias do período e tem cantores, tanto solistas quanto coro, fato inédito até então. Beethoven já era surdo quando compôs a Nona. 

“A letra cantada é o poema Ode à Alegria, do escritor alemão Schiller. Devido seu reconhecimento e importância simbólica, a música tornou-se o hino oficial da União Europeia”, conclui Gustavo Rocha, também cantor, professor e fundador da Cia de Cantores Líricos de Brasília.

O projeto Beethoven, 250 Anos de Música conta com o patrocínio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal por meio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC-DF). Realização Cia de Cantores Líricos de Brasília.

Sobre a Cia de Cantores Líricos de Brasília

A Cia de Cantores Líricos de Brasília surgiu em 2008 por meio da união de cantores líricos de Brasília que resolveram contribuir com o cenário musical da cidade. Todos os cantores realizam apresentações musicais, shows, concertos, recitais, óperas e casamentos, em performances em grupo ou solo.

Renata Dourado e Érika Kallina são sopranos e atuam tanto em produções da Cia de Cantores Líricos, quanto em outras produções musicais da cidade. Gustavo Rocha é um dos barítonos mais atuantes de Brasília e, além de cantar nas produções da companhia e em outras produções no DF, também divide a produção dos espetáculos com a soprano e produtora Renata Dourado. Além da performance musical e cênica, os cantores ministram aulas individuais de canto.

 

Ficha técnica:

Seleção da ópera “Fidelio”, Op. 72. a. Dueto Marzelline e Jaquino

b. Ária Pizarro

c. Ária Leonora

d. Dueto Florestan e Leonora

e. Quarteto

Marzelline: Renata Dourado

Jaquino: Daniel Menezes

Florestan: Thiago Rocha

Leonora: Érika Kallina e Aida Kellen

Rocco: Gustavo Rocha

Pizarro: Gustavo Rocha

Piano: Rafael Ribeiro

2. Bagatela n. 25 em Lá menor (WoO 59, Bia 515) “Für Elise

Piano: Rafael Ribeiro

3. “Duncan Gray”, WoO 156 n. 2 [G. 227 n. 2], das 12 Canções Escocesas

Soprano: Aida Kellen

Tenor: Thiago Rocha

Barítono: Gustavo Rocha

Violino: Ivan Quintana

Clarinete: Ilka Jussara

Piano: Rafael Ribeiro

Assessoria de imprensa: Baú Comunicação Integrada

 

Serviço: Cia de Cantores Líricos de Brasília em Beethoven, 250 Anos – apresentação da ópera Fidelio e composições eternizadas do compositor em lives

Data: 11 de dezembro

Local: Canal do YouTube da Casa Thomas Jefferson: (7) Casa Thomas Jefferson - YouTube.

Horário: 20h

Data: 18 e 20 de dezembro, sexta e domingo

Horário:  20h

Local: YouTube da Cia de Cantores Líricos de Brasília: Cia de Cantores Lirícos de Brasília - YouTube

Gratuito

Livre para todos os públicos

Informações: Instagram: @ciadecantoresliricos  e Facebook:  https://www.facebook.com/ciadecantoresliricosdebrasilia/

Mariana Negreiros lança terceiro livro em live com temas que levam à reflexão de adolescentes

Obra Princesa Não Nascem Em Castelos trata de temáticas atuais a partir da história da mimada princesa Nicole

Ela tem apenas 18 anos, sendo quatro dedicados à arte de escrever.  A brasiliense Mariana Negreiros lançou, em 2017, aos 14 anos, o romance mágico Os Segredos de Um Colar. Crianças, adolescentes e, também, adultos compraram e admiraram a obra da então jovem autora que, inclusive, virou atração em sua escola e inspiração para seus colegas. Mas, ela não parou por aí. Aos 16, Mariana continuou a saga do que será uma trilogia e publicou Os Segredos dos Guardiões. Agora, a autora chega com uma nova ideia escrita durante a pandemia. 

A obra Princesa Não Nascem em Castelos – uma aventura diferente – já está disponível em versão on-line na Amazon por R$ 5. Em breve, estará também no site: www.mariananegreiros.com.br. E os fãs já podem se preparar. Mariana fará uma live no dia 27 de novembro, sexta-feira, às 16h, em seu canal no YouTube. Na transmissão, a artista falará sobre seu novo livro, dará dicas de escrita e, também, estará aberta a perguntas. O evento é gratuito e livre para todos os públicos. 




Princesas Não Nascem Em Castelos é um livro focado no empoderamento feminino e que trabalha com uma nova visão de mundo. A obra conta a história de Nicole, uma princesa mimada que vive em uma enorme bolha social. Ela é presa a preconceitos e não tem a mínima ideia da realidade de seu povo. 

Na nova obra, Mariana conta que se aventurou em explorar cenas mais descritivas, mas sem perder o dinamismo da história. Engajada, ela também resolveu abordar temas importantes e atuais como empoderamento feminino e desigualdade social. Mas, garante: “Fiz isso de uma forma leve para me adequar ao meu público mais juvenil”. 

Os leitores verão uma personagem (a princesa Nicole) forte que passará por diversas dificuldades, sentimentos e experiências que a transformarão, por completo, numa verdadeira líder.   

“Como lancei e aproveitei essa pandemia para finalizar o livro, usei o momento para testar e publicar de forma independente pelo Kdp da Amazon. Tive vários feedbacks gostosos de ouvir”, diz, feliz. 

Sobre dicas para se tornar um escritor, a jovem aconselha os novatos a terem muita dedicação, leitura, abraçarem as críticas construtivas e ignorarem as negativas. “Se você quer escrever, é necessário que você leia. Você precisa conhecer o seu produto e seu mercado. Amplie seu vocabulário, perceba como uma narrativa é construída e como uma personagem é desenvolvida. Tudo isso você pode aprender lendo. Além disso, é preciso entender que escrever não é uma tarefa fácil pois depende, além da técnica, da sua inspiração e criatividade. Em alguns dias, você vai escrever por horas e horas sem parar e, em outros, você não vai conseguir nem preencher uma linha”, pontua. 


Sinopse de Princesas Não Nascem Em Castelos 

Depois de um ato que, de acordo com todos, foi inconsequente, Nicole, uma mimada e destemida princesa, terá de ser afastada de seu majestoso castelo para viver escondida na simplicidade do campo, fugindo da grande guerra que causou. Longe de tudo o que conhece, encontra Mateus, um jovem camponês que a fará enxergar seu povo com outros olhos.  Se expondo aos mais novos sentimentos ela compreende, pela primeira vez, a si mesma e muda, para sempre, a história de seu reino.

Serviço:  Autora Mariana Negreiros lança terceiro livro Princesas Não Nascem em Castelo na internet e em live

Data da live: 27 de novembro, sexta-feira

Horário: 16h

No canal no Youtube de Mariana Negreiros: https://www.youtube.com/channel/UCQqBxdKUhINLwwP-6bopdnQ?reload=9

Gratuito 

Livre para todos os públicos

Leia a obra: https://www.amazon.com.br/Princesas-n%C3%A3o-Nascem-em-Castelos-ebook/dp/B08KXH966S

Valor: R$ 5 


Bailarina lança livro e DVD de pesquisa sobre dança


Livro O Olhar Na Dança entrevista 30 grupos de dança contemporânea do Brasil e valoriza a profissão Coreógrafo

Autora da pesquisa e bailarina brasiliense, Juana Miranda imerge no processo de criação da dança contemporânea e clama por resistência dos artistas e grupos em tempos de pandemia. Lançamento virtual acontecerá em junho e contará com série de lives.

Em todo espetáculo, antes do acender das luzes, existe nos bastidores um esforço de anos, meses, semanas e dias de empenho na produção que envolve diversos agentes. Os detalhes técnicos e a criação perpassam pelo roteiro, figurino, coreografia, maquiagem, luz, até chegar ao artista no palco. De uma inquietação pessoal, nasceu um projeto determinado a olhar a dança contemporânea em suas formas, nuances, significados corporais e visuais e, principalmente, na origem e em sua forma de construção e criação. Como cada coreógrafo pensa e desenvolve o processo criativo? A partir de quais elementos se pretende atrair a atenção do público? Há sempre uma narrativa de início, meio e fim quando falamos de um espetáculo de dança?



Focado em buscar respostas, em 2018, o KOH - Núcleo de Pesquisa da Cena, coordenado pela bailarina, atriz, pesquisadora e produtora brasiliense Juana Miranda, decidiu investigar o processo criativo e os conceitos que definiam os movimentos expressos no palco. Foram mais de 200 grupos de dança contemporânea mapeados em todo o Brasil. Destes, a obra literária O Olhar na Dança percorreu 16 estados, desembarcou em 16 cidades e conheceu pessoalmente o trabalho de 30 companhias. A riqueza de três anos de pesquisa e imersão resultou em um livro com DVD exclusivo e inédito que o público poderá ter acesso na quarentena.



O lançamento oficial do livro acontecerá, virtualmente, no dia 5 de junho, sexta-feira, às 19h, no Instagram @nucleodepesquisadacena. Mas os internautas poderão ter acesso a uma semana de lives e bate-papos sobre a dança e seus processos criativos. As lives se iniciarão no dia 2 de junho (terça-feira), também às 19h, pelo Instagram do núcleo de pesquisa. Além da presença da idealizadora Juana Miranda, o público poderá ter contato com diversos temas relacionados à dança e, ainda, a oportunidade de ouvir e dialogar com feras desta arte como Mário Nascimento (MG), Raimundo Branco (PE), Cristiane Wosniak (PR), dentre outros. Confira a programação no Instagram @nucleodepesquisadacena.

Além de contar com 30 entrevistas sobre o processo criativo dentro da dança contemporânea, a publicação inclui um DVD com vídeos, de seis a oito minutos cada, nos quais o público poderá assistir aos próprios coreógrafos. Neste momento de palcos fechados em todo o mundo, o projeto ganha vida também para dar voz e espaço a tantas companhias e grupos que resistem há 10, 20, 30, 40 anos criando e pesquisando a arte do movimento. Valoriza, em especial, o coreógrafo e seu processo criativo, registrando a diversidade e as facetas da dança contemporânea nacional.

“Em tempos de pandemia, no qual os artistas tentam resistir, queremos agradecer, valorizar quem faz arte e lembrar a importância das artes da presença. O objetivo do livro é enaltecer o trabalho do coreógrafo, entender seu processo criativo, registrar a existência de diversos profissionais nesse setor”, destaca a idealizadora Juana Miranda.Reunindo a diversidade de criações, o projeto também faz um intercâmbio entre a produção da arte contemporânea em todas as regiões do Brasil. Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sul e Sudeste são retratados por meio da vivência destes coreógrafos que estão há anos em atividade, sobrevivendo e resistindo.



De acordo com a idealizadora, as artes da presença (teatro e dança) sempre tiveram uma dificuldade de registro, pois a filmagem não garante a mesma experiência que as apresentações ao vivo. Há pouco registro das últimas décadas. “O processo criativo vem evoluindo de forma rápida. De 1950 para cá no Brasil, a dança passou da clássica para a moderna e, depois, para a contemporânea.  Logo, vários estilos surgiram. Consequentemente, a pesquisa do movimento continua se desenvolvendo. Antes tínhamos a falta da internet, o alto valor das equipes de filmagem e o próprios desafio de registrar em outro formato uma apresentação feita para ser uma experiência estética e sensorial, ao vivo”, explica Miranda.

Tendo em vista essa evolução e a necessidade de registrar a dança na memória do povo, o livro O Olhar Na Dança tem a preciosidade de ter conversado com coreógrafos de 30 a 80 anos, abarcando várias gerações e formas de pensar. Hoje, mais do que nunca, voltar o olhar para a arte é entender o papel e a resistência de cada um dentro do processo que, ao final, encanta o público.

O projeto O Olhar Na Dança conta com o patrocínio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal, por meio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC-DF).

Um caminhar pelo universo da dança contemporânea
Juana caminhou pelo universo do cinema, da dança, do teatro e da publicidade. Com essa bagagem e com a curiosidade sobre o amplo processo criativo que vislumbramos nas artes feitas em terras tupiniquins, a idealizadora traz para o público uma viagem por uma arte que aguçou a sua curiosidade: a da dança contemporânea. E foi a partir desta curiosidade que ela trará para o público um aprofundamento sobre o processo criativo na dança, expondo em sua obra 30 grupos, sendo seis de cada região brasileira.

“A pesquisa dentro do processo criativo de cada coreógrafo apresenta diversos caminhos de se fazer na dança contemporânea. Nosso questionamento partiu de entender as narrativas e possibilidades de dramaturgia que a dança tem utilizado, buscando saber sua opinião sobre o público de hoje, como levá-lo à plateia e como manter essa audiência. Se essa preocupação interfere na sua criação, no seu processo criativo, na sua sustentabilidade”, explica Miranda.

Em função da situação do mundo e para que os coreógrafos de diversos estados possam participar do lançamento do livro, o projeto contará com uma semana de lives e conversas sobre dança.

Confira programação:
Dia 02 de junho, 19hs pelo instagram @nucleodepesquisadacena
Tema: Dança e Memória com         
Cristiane Wosniak, da Téssera Cia de Dança da UFPR (PR)         
Raimundo Branco, da Compassos Cia de Danças (PE)      
Mario Nascimento, da Cia Mario Nascimento (MG)

Dia 03 de junho, 19hs pelo instagram @nucleodepesquisadacena
Tema: Dança e Políticas Públicas com     
Valéria Pinheiro, da Cia Vatá (CE)   
Matias Santiago, do Balé Jovem de Salvador (BA)  
Maurício Maciel, da Cia Ói Nóiz Aki (AP)

Dia 05 de junho, dia oficial de lançamento do livro  
19h pelo Instagram @nucleodepesquisadacena     
Tema: Dança e Processo Criativo com     
Laura Virgínia, da Margaridas Cia de Dança (DF)   
Marcia Milhazes, da Marcia Milhazes Companhia de Dança (RJ)   
Eliane Fetzer, da Eliane Fetzer Cia de Dança (PR)
20h30 conversa em grupo no Facebook KOHnucleodepesquisadacena    
Tema: VIDA pós 2020 com  
Luciana Lara, da Anti Status Quo Cia de Dança (DF)         
Waldete Brito, da Cia Experimental de Dança Waldete Brito (PA)  
Rosa Antuña, da Cia Mário Nascimento (MG)         
Ana Flávia Mendes, da Cia Moderno de Dança (PA)          
João Vicente, da Lamira Grupo de Artes Cênicas (TO)

Conheça todos os coreógrafos entrevistados no livro O Olhar Na Dança:
Região Centro Oeste:
.Laura Virginia – Margaridas Cia de Dança (DF)
.Lenora Lobo - Alaya Dança (DF)
.Luciana Lara -  Anti Status Quo Cia de Dança (DF)
.Jana Marques - Azzo Dança (DF)
.Cristiane dos Santos - Nômades Grupo de Dança (GO)
.Henrique Rodovalho – Quasar Cia de Dança (GO)

Região Nordeste:
.Maria Paula Costa - Grupo Grial de Dança (PE)
.Raimundo Branco - Compassos Cia de Danças (PE)
.Mônica Lira - Grupo Experimental de Dança (PE)
.Matias Santiago - Balé Jovem de Salvador (BA)
.Valéria Pinheiro - Cia Vatá (CE)
.Telma Cesar - Cia dos Pés (AL)

Região Norte:
.João Vicente - Lamira Grupo de Artes Cênicas (TO)
.Waldete Brito – Cia Experimental de Dança Waldete Brito (PA)
.Yara Costa – Indios.com Cia de Dança (AM)
.Maurício Maciel – Cia Ói Nóiz Aki (AP)
.Ana Flávia Mendes – Cia Moderno de Dança (PA)
.André Duarte – Entrecorpus Cia de Dança (AM)
Região Sudeste:
.Mario Nascimento - Cia Mario Nascimento (MG)
.Rodrigo Pederneiras – Grupo Corpo (MG)
.Marcia Milhazes – Márcia Milhazes Companhia de Dança (RJ)
.Alex Neoral – Focus Cia de Dança (RJ)
.Jorge Garcia – Jorge Garcia Cia de Dança (SP)
.Sandro Borelli – Carne Agonizante Cia de Dança (SP)
Região Sul:
.Jussara Miranda - Muovere Cia de Dança (RS)
.Eva Schul - Ânima Cia de Dança (RS)
.Ivan Mota - Companhia H (RS)
.Alejandro Ahmed – Grupo Cena 11 (SC)
.Rafael Pacheco, Cristiane Wosniak, Juliana Virtuoso e Helen de Aguiar – Téssera Companhia de Dança da UFPR (PR)
.Eliane Fetzer – Eliane Fetzer Cia de Dança (PR)

Serviço: Produtora e artista brasiliense, Juana Miranda lança livro e DVD O Olhar Na Dança em tempos de pandemia
Vendas online:
Instagram: @nucleodepesquisadacena
E-mail: atendimento@changproducoes.com
Valor: R$ 35
Informações:  Instagram: @nucleodepesquisadacena
O livro é livre para todos os públicos.

Artistas brasilienses fazem live na quarentena

Adriana Nunes (Cia. Os Melhores do Mundo), o ator global brasiliense Bernardo Felinto, os músicos Eduardo Pastore, Paulo Lessa, Dara Alencar, Ju Rodrigues (Saiabamba e Essa Boquinha Eu Já Beijei), a rainha dos ritmos do Pará e do Amapá, Emília Monteiro, Renata Dourado e Gustavo Rocha (Cia de Cantores Líricos de Brasília), a sambista Kika Ribeiro, que puxa o bloco Samba da Mulher Bonita e a Poetisa do Cuidar, Onã Silva. Ainda, a banda comandada por uma mulher, Nat Mirrors e os Espelhos da Noite,  se uniram em tempos de pandemia para falar de arte, de resistência e, principalmente, de união.  


Juntos, estes artistas do teatro, da música e da literatura resolveram passar uma mensagem positiva para o público que está em casa. A ideia veio deles, ícones da arte brasiliense. Cada qual ao seu modo, eles resolveram gravar um vídeo para mostrar como está a quarentena dentro de suas casas e disponibilizaram, gratuitamente, vídeos de suas artes.


O vídeo dos artistas editado e montado pela também artista Natália Leite pode ser conferido no YouTube: https://www.youtube.com/embed/mZHkNnUdvCE

A começar pela Poetisa do Cuidar, Onã Silva, que chega com vários cordéis, incluindo sobre o coronavírus, em seu canal no YouTube. Quem quiser, pode conferir.

Já Kika Ribeiro, Ju Rodrigues e Emília Monteiro – rainhas do carnaval e de eventos brasilienses – também tocam. Tocam seus sentimentos, poetizam e gravam lives em seus Instagrans: @jurodriguescanta, @emiliamonteirocanta e @kikaribeirosamba. Vale a pena conferir! A cantora, intérprete e compositora brasiliense Dara Alencar (@daraalencar) traz a música autoral Essa Conversa, que também pode ser conferida no vídeo coletivo.

Também famosos como compositores e intérpretes, Paulo Lessa e Eduardo Pastore (@paulolessaoficial e @eduardompastore) fazem lives em suas redes e lançam novas canções nesta quarentena.

Há ainda a banda Nat Mirrors e os Espelhos da Noite.  O grupo formado por Nat Pires (vocais e composições), João Dimas (guitarra e vocais), Marcus Arcuri (bateria), Lucas Carvalho (guitarra, teclados e vocais) e Igor Fazio (contrabaixo) é conhecido em Brasília por misturarem a “psicodelia” do rock’n’roll dos anos 60 e 70 com o suingue dos sons latinos-americanos e as texturas imprevisíveis dos efeitos analógicos. E Nat Pires criou a canção Fake News que pode ser acessada no YouTube:
https://www.youtube.com/embed/KZzHQtE_DYA

Da música para o teatro, Adriana Nunes, atriz e fundadora da Cia de Comédia Os Melhores do Mundo, lançou junto com a equipe uma quarentena com esquetes inéditas e conhecidas do grupo que fez 25 anos de estrada e muita história em 2020. Sempre às terças, quintas e aos sábados, às 20h, o público poderá morrer de rir ao acessar o link: youtube.com/comediamm.

Ator que se projetou na Rede Globo, em Brasília e no Brasil, Bernardo Felinto também lançou um filme de sua autoria na internet. O curta-metragem Me Deixe Não Ser conta com a sua atuação e da atriz Carolina Monte Rosa. A direção é de Kleber Macedo. Uma obra que fala de encontros e desencontros, paixões, dúvidas e instabilidades. Confira: https://vimeo.com/282593754/cc07d6595e

E a ópera poderá chegar em sua casa. Fundadores da Cia de Cantores Líricos de Brasília (@ciadecantoresliricos), Renata Dourado e Gustavo Rocha também deixam suas performances vocais e uma bela mensagem ao lado da filha.

“Nossa rotina muda, claro. Com filha pequena em casa, aí é que muda mesmo. Mas nunca deixaremos de cantar e de incentivar o público a ter contato com a arte. Ela nos inspira e nos alivia”, afirma  Dourado, feliz pelo contato, mesmo distante, com o público.

Serviço: Artistas brasilienses lançam arte e mensagem positiva em tempos de pandemia.
Confira a mensagem de cada artista no vídeo: https://youtu.be/mZHkNnUdvCE

Clipping

A Baú Comunicação Integrada oferece aos seus clientes no final do contrato um clipping. Podemos dizer que o clipping é um processo que consiste no monitoramento constante de matérias jornalísticas, para que sejam coletadas aquelas que fazem menção a uma determinada empresa. Com essas informações devidamente organizadas, é possível elaborar relatórios que auxiliam a empresa a disseminar informações de forma mais planejada, além de serem fundamentais para toda a gestão da informação. Atualmente, as empresas que oferecem esse serviço disponibilizam uma ampla cobertura que pode ir desde os sites e jornais impressos até as rádios e os canais de televisão, isso sem contar no monitoramento de opiniões dos leitores nessas mídias. Dessa forma, é possível que a empresa tome conhecimento de qualquer tipo de veiculação relacionada a ela e acompanhe o desempenho das ações de seu assessor. Fonte: Vinicius Santos, do Dino Blog



Contato
Camila Rezende e Michel Toronaga
61 99333-0579 / 61 98185-8595
Brasília - DF